16 de set de 2015

Conto: "O funcionário fantasma"



“O funcionário fantasma”


   Naquela manhã de feriado prolongado, Josias adentrou na repartição em que trabalhava há pouco mais de vinte anos. Todas as vinte e cinco escrivaninhas distribuídas em pouquíssimos metros quadrados estavam vazias. Josias sentou-se na última cadeira, a do canto esquerdo, pois assim teria uma visualização melhor de todo aquele espaço. As mobílias velhas e as pilhas infindáveis de papeis denunciavam a ineficiência e a burocracia encalacradas naquele lugar. Começou a digitar o relatório às sete da manhã, com uma baita agilidade nos dedos incansáveis. Não parou para tomar café, nem para discutir futebol com os amigos, pois todos eles estavam curtindo o feriado prolongado. Terminar aquele relatório era questão de honra.

   Na hora do almoço, não fez refeição alguma, pois não sentia a mínima necessidade de se alimentar. Olhava pela fresta da janela de vidro e percebia o sol bonito lá fora. Convidativo, brilhante, ótimo para o lazer. Mas como funcionário comprometido e perfeccionista,  cumpriria o serão extra com prazer, em nome da produtividade e do ego de homem correto.

   Duas da tarde, três, quatro, cinco horas! O relatório ainda demandaria mais duas horas do seu feriado, mas ele não se importava. Ficaria até às dezenove horas, se assim fosse necessário. Quando o relógio marcou dezoito horas e cinquenta minutos, um homem com semblante sereno, chamado Gabriel, também adentrou à repartição, fazendo a cobrança:

      - Satisfeito, Josias?

    O correto funcionário assentiu com a cabeça, enxugou as lágrimas e olhou pela última vez para aquele lugar em que defendeu o pão de cada dia por mais de duas décadas. Era hora de deixar definitivamente aquela repartição, como também, o mundo dos encarnados. Ele havia falecido no dia anterior, num acidente ocorrido na BR-101, em viagem com a família para o litoral sul do Rio de Janeiro. Mas para o seu consolo, o relatório estava concluído, pois ele desconfiava que dificilmente os seus outros vinte e quatro colegas de trabalho dariam prosseguimento à confecção do documento.

   O homem do semblante sereno colocou um das mãos sobre o ombro de Josias, sendo que um portal brilhante se abriu, e ambos se dirigiram rumo ao desconhecido. Josias foi o funcionário fantasma mais exemplar que o setor público já conheceu...


                                        * O Eldoradense

Um comentário:

  1. Engraçado que existem milhões de funcionários fantasmas por aí... não aqueles que não trabalham, mas que ganham desonestamente, estou me referindo aquelas pessoas que nos prestam serviços e na maioria das vezes nem notamos... ótimo conto, parabénsss!!!

    ResponderExcluir