22 de jun de 2017

Livro: "O semeador de algodão", de Inocêncio Erbella



"O semeador de algodão", de Inocêncio Erbella

  Grandes pintores estabelecem competente conexão com seu público de admiradores, mesmo nas artes abstratas, pois através da intensidade das cores e dos traços, deixam transparecer suas emoções de forna nítida e explícita, ainda que paradoxalmente, subjetiva. E o que são os escritores, se não grandes pintores da literatura expressando e transmitindo emoções através das palavras e narrativas? Pois é: se meu raciocínio faz algum sentido, Inocêncio Erbella, através da obra "O semeador de algodão", usou Presidente Venceslau como sua própria tela, e nela, personagens envolventes e cativantes desfilaram virtudes, falhas, erros e acertos de uma forma tão hipnótica que o leitor é praticamente "intimado" a devorar o livro no menor tempo possível.

   Em uma narrativa que transcende épocas, quem é "Venceslauense da gema" ou mesmo morador desta querida cidade há algum tempo, é guiado às principais vias da urbe pelas décadas de 60 e 70, imaginando o trânsito das charretes e as crianças brincando pelas ruas, quando o tráfego automobilístico ainda não oferecia maiores riscos.

    Não dá para evitar os paralelos dos personagens da ficção com alguns nomes que ajudaram na formação espacial e social de nossa comunidade, bem como não dá para não se comover com as autocríticas do prefeito "Ascêncio", analisando seus possíveis equívocos e abundantes acertos durante a vida pública. Nota-se que o prefeito foi e continua sendo  um homem de vanguarda, refletindo com bastante sensatez e coerência questões como o machismo, a homossexualidade, as injustiças sociais, e seu apego quase que obsessivo pela democracia e o sufrágio universal. Católico, destacou a importância da laicidade na vida pública, mesmo não abrindo mão dos valores cristãos no seu íntimo.

    Recheando e incrementando paralelamente a obra, destaco a saga heroica de um semeador de algodão, predestinado a conseguir seu próprio pedaço de terra às custas de suor e muito trabalho, e, adjacentes à trama, algumas outras subtramas que se encaixam tal qual perfeita engrenagem, conquistando os apaixonados pela boa leitura. Enfim: o livro é uma pintura literária capaz de levar o leitor a uma surpreendente viagem no tempo, e principalmente, promovendo reflexões relevantes sobre assuntos como hipocrisia e preconceitos. Concluo dizendo, na minha modesta opinião, que Presidente Venceslau foi genialmente desenhada em uma belíssima tela retrô, porém, de forma simultaneamente atual.

                                         * O Eldoradense 


21 de jun de 2017

Charge besteirol: Temer na Rússia...



   Sabem o que o Putin disse para o Temer sobre a armadilha do áudio gravado por Joesley Safadão? Cliquem na charge abaixo e descubram!


* O Eldoradense

20 de jun de 2017

As manchetes políticas de hoje e um desafio aos leitores...




   As manchetes abaixo são todas relacionadas à política, e são datadas no dia de hoje, no site Folha.com. Leiam:

    "Funaro acusa Temer e diz ter pago comissões a Moreira Franco e Gedel"

      "STF adia decisão sobre Aécio; irmã de tucano passa à prisão domiciliar"

    "França confirma condenação de Maluf por lavagem de dinheiro"

     "Real dono do tríplex era Lula, afirma Léo Pinheiro à justiça"

    Reparem: há uma desmoralização generalizada da classe política, envolvendo nomes das mais variadas correntes ideológicas e partidárias. Mas mediante tanta fartura de joio em meio a pouquíssimo trigo, lanço um desafio: Quem você, leitor, considera ainda um político de credibilidade? Eu começo a minha lista com alguns nomes, (você pode ou não concordar), e emitir sua lista nos comentários.

                               1) Marina Silva, (REDE)

   

2) Senador Álvaro Dias, (PV)


3) Cristóvam Buarque, (PPS)


4) Chico Alencar, (PSOL)


5) Eduardo Suplicy (PT)



  Eis a minha lista. Como eu disse, a discordância dos nomes acima citados podem figurar nos quesitos envolvendo competência e ideologia, tornando o debate subjetivo. Mas são nomes que passam despercebidos pelas manchetes políticas envolvendo corrupção. Convido o leitor a elaborar a própria lista, com o intuito de promovermos um "limpa" nas eleições 2018, ao menos no campo da ética e da moral.

* O Eldoradense  


18 de jun de 2017

Clipe de hoje: "Um rio sempre beija o mar" - Biquíni Cavadão


"Um rio sempre beija o mar"

Não foi por acaso
Nem foi planejado
Era pura intuição

Pedras no caminho
Naveguei sozinho, fui pelo meu coração
Me ajoelho pra você me desculpar
Mas não consigo me perdoar

Para seguir em frente
Sei que vou deixar
Alguma coisa para trás

Em águas, tantas vezes
Rasas ou profundas
A correnteza vai me levar
Um rio sempre beija o mar
Um rio sempre beija o mar

Não foi por acaso
Nem foi planejado
Era pura intuição

Pedras no caminho
Naveguei sozinho, fui pelo meu coração
Me ajoelho pra você me desculpar
Eu não consigo me perdoar

Para seguir em frente
Sei que vou deixar
Alguma coisa para trás

Em águas, tantas vezes
Rasas ou profundas
A correnteza vai me levar
Um rio sempre beija o mar
Um rio sempre beija o mar

Curvas e nascentes
Braços e afluentes
Nada pode me parar
Um rio sempre beija o mar

Em águas, tantas vezes
Rasas ou profundas
A correnteza vai me levar
Um rio sempre beija o mar
Um rio sempre beija o mar

Um rio sempre beija o mar
Um rio sempre beijar o mar

15 de jun de 2017

Memes com Super-Heróis: Wolverine quer pegar Aécio!




   Inconformado com as tentativas do governo PMDB/PSDB em obstruir os bons andamentos da  Lava Jato, o Procurador da operação Deltan Dallagnol foi taxativo em seu twitter: “O afastamento objetiva proteger a sociedade. Desobedecido, a solução é prender Aécio, conforme pediu o PGR Janot”.

  Decepcionado com o caráter do senador tucano, Wolverine, que tanto afiou suas unhas de adamantium contra os eleitores de Dilma nas últimas eleições, não deixou barato: Vai pegar Aécio, em nome da vingança! * Para visualizar a imagem em tamanho original, clique sobre a mesma.


* O Eldoradense

12 de jun de 2017

Livro: "Acima de tudo o amor"




    Encerrei ontem mais uma leitura de livro, e que leitura! Acima de tudo o amor é mais um relato pessoal do que exatamente uma obra literária, mas a narrativa é tão bela e comovente que emociona o leitor. Fala sobre a história do Hospital do Câncer de Barretos, projeto iniciado pelo médico Paulo Prata e atualmente tocado com muita garra e competência pelo seu filho, o fazendeiro Henrique Prata.

   Uma saga que envolve comprometimento, fé, gestão, luta, e como o próprio nome do livro diz, "Acima de tudo, o amor". Henrique prova que a medicina humanizada e de qualidade pode chegar também aos menos privilegiados, desde que exista inteligência, honestidade e arrojo. Sei que o objetivo principal da obra não é provocar este questionamento, mas é inevitável o leitor não fazê-lo após concluir a última página: "Será que o problema da saúde pública no Brasil é apenas a falta de recursos, ou também a má gestão deles?" 

   Adquiri o livro em uma Agência dos Correios, e este livro eu não apenas indico ou recomendo: Aconselho! Além de ensinar muita coisa sobre altruísmo, quem o adquire está colaborando com o ambicioso e belíssimo projeto do Hospital do Câncer de Barretos. Vale a pena, pois além da boa sensação de ter auxiliado uma causa nobre, o leitor percebe que ainda vale a pena acreditar no ser humano.

* O Eldoradense

11 de jun de 2017

Vídeo musical de hoje: "Um pro outro", com Lulu Santos!


"Um pro outro" - Lulu Santos

Foi bom te ver de novo aqui
A gente tinha mesmo tanta razão pra seguir
Fora o som dessa guitarra
A voz sempre rouca
E o coração na mão

Surpresa certa te encontrar
A tua onda pega bem mesmo em qualquer lugar
Até na esquina do pecado
O que for da vida não nos deterá

Nós somos feitos um pro outro
Pode crer
Por isso é que eu estou aqui
E não há lógica que faça desandar
O que o acaso decidir

Tanta certeza no olhar
Tamanha pressa de chegar a nenhum lugar
Só pra ter a sensação
De que a vida passa assim como um tufão

Nós somos feitos um pro outro
Pode crer
Por isso é que eu estou aqui
E não há lógica que faça desandar
O que o acaso decidir