28 de abr de 2017

Será que a Petrobrás "Livre está?"

      Enaltecendo mais uma vez as campanhas publicitárias "Made In Brazil", segue abaixo mais um comercial fazendo sucesso nos intervalos da TV:
  A Petrobrás pode estar numa verdadeira draga financeira, e talvez ainda não esteja livre das falcatruas que tanto prejudicam a estatal petrolífera brasileira. Mas esta propaganda em que uma família de nipo-brasileiros canta o tema do filme "Frozen" ficou muito engraçada. Será que a Petrobrás "Livre está?" 


27 de abr de 2017

Poema: "Caixa dois"


"Caixa dois"

O engravatado na espreita,
Inventando uma obra...
Subornando uma empreita,
Para ver quanto sobra...

A empreiteira, na surdina,
Dá sua premiação;
Pagando a propina...
Vencendo a licitação...

Estádios superfaturados,
Metrô sem estação...
Projetos inacabados,
Um rio em transposição!

Fluminenses e paulistas,
Embarcariam num trem-bala...
Que sumiu sem deixar pistas...
Dele, ninguém mais fala!

Nas profundezas do mar
Estaria a salvação;
Petróleo a jorrar...
Financiando a educação!

Mas faliram a Estatal,
Jazida? Aqui jaz...
Esqueçam o pré-sal,
Lá se foi a Petrobrás!

E que se dane a nação,
Que fique para depois...
O que importa é a comissão,
O maldito caixa-dois!

* O Eldoradense


25 de abr de 2017

Dória e a velocidade nas marginais...


Nas imagens acima, João Dória e o compromisso de campanha de aumentar a velocidade nas Marginais Paulistanas




  Saiu hoje em manchete do G1: Acidentes  aumentaram em 67% nas marginais paulistanas no primeiro trimestre em relação ao mesmo período de 2016. Amigo leitor, são números expressivos, provavelmente ocasionados por aqueles "compromissos de campanha" assumidos pelo agora prefeito de São Paulo, João Dória, quando ainda era candidato: o de aumentar o limite de velocidade nas marginais Tietê e Pinheiros, na capital paulista. 

  Ao ser indagado sobre a possibilidade real do aumento no número de acidentes nas respectivas vias, Dória respondeu que a medida seria perfeitamente viável, e que seria adotada embasada em estudos técnicos. Das duas uma: ou não houve estudo algum, ou então, quem fez os estudos é incompetente. Não seria preciso ser nenhum Engenheiro de Tráfego para prever o que está ocorrendo agora. O brasileiro dirige mal, tem péssima educação no trânsito, e se puder acelerar, vai mesmo "sentar o pé" no terceiro pedal.

  Outra "lambança" do atual prefeito de São Paulo vai ser a mudança do status de algumas "ciclofaixas" para "ciclorrotas". O que na prática, isso significa? Significa que as faixas que antes eram exclusivas para as bikes, não mais serão, ainda que os ciclistas tenham prioridade em tais espaços. Mas convenhamos: o trânsito de São Paulo é uma selva, e para variar, está prevalecendo novamente a lei do mais forte.

   Sabe-se que a questão da mobilidade urbana da principal Metrópole Brasileira envolve muito mais do que o antigo erro de beneficiar condutores de automóveis. É preciso integrar as malhas de transportes coletivos, bem como prestigiar meios de transporte ecologicamente corretos. Dória insiste em andar na "contra-mão" destas tendências, e provavelmente, a integridade física de muitos sofrerá com tais medidas. As primeiras estatísticas já deram o recado...

* O Eldoradense

23 de abr de 2017

Vídeo musical de hoje: "Lance de dados" - Engenheiros do Hawaii


"Lance de dados" - Engenheiros do Hawaii

Daqui não tem mais volta, pra frente é sem saber
Pequenos paraísos e riscos a correr

Os deuses jogam pôquer
E bebem no saloon ,doses generosas de BR 101

Tá escrito há 6.000 anos em parachoques de caminhão
Atalhos perigosos feito frases feitas
Os deuses dão as cartas... o resto é com você

No fundo tudo é ritmo
A dança foge do salão
Invade a autoestrada do átomo ao caminhão
O fim é puro ritmo
O último suspiro é purificação
Os deuses dão as costas... agora é só você!

Série da Netflix "Punho de Ferro" surpreendeu!

Lado a lado: O "Punho de Ferro" da Netflix e o dos gibis...


   Comecei a assistir à série da Netflix "Punho de Ferro" com alguma desconfiança, já que sempre considerei este herói do "segundo escalão" do Universo Marvel, ao lado de outros personagens como Dr Estranho e Luke Cage, por exemplo. O que vem surpreendendo é que a indústria do entretenimento, através das séries e filmes têm dado a estes personagens "emergentes" a mesma atenção que X-Man, Os Vingadores, Homem de Ferro e Homem Aranha sempre mereceram, fazendo com que o leitor/espectador passe a prestar mais atenção em suas histórias.

  Punho de Ferro é na verdade uma condição atingida por Daniel Rand, que sofreu um acidente de avião no Himalaia, acarretando a morte de seus pais. Dado como morto, Daniel retorna quinze anos depois, assumindo a herança da empresa em que o pai era sócio majoritário. Logicamente Daniel enfrenta a desconfiança do casal de filhos do outro sócio, e a partir daí, inicia-se uma trama bastante interessante. Nestes quinze anos, Daniel foi treinado em um monastério nas montanhas de Kunlun, onde, além de se tornar exímio lutador de artes marciais, herdou também a condição mística do "Punho de Ferro". O herói, além de enfrentar a hostilidade inicial dos sócios das empresas Rand, enfrentará também um oponente bem mais poderoso e perigoso: O Tentáculo, grupo de ninjas assassinos que atuam em negócios ilícitos no submundo de Nova-Iorque. Série inicialmente intrigante, que vai ganhando doses de aventura ao longo da trama. Para quem aprecia o mundo dos super-heróis, é um prato cheio...


* O Eldoradense

21 de abr de 2017

Tiradentes: o herói que foi vítima da "delação premiada!

Joaquim Silvério dos Reis: o delator que traiu a Inconfidência Mineira em troca do perdão das dívidas com a Coroa...



 Vocês sabem quem é este indivíduo com esta fisionomia "simpática" da foto acima? Trata-se de Joaquim Silvério dos Reis, o sujeito que traiu a Inconfidência Mineira, movimento revolucionário que tinha como objetivo a Independência do Brasil, visando colocar fim à relação de subordinação que a Metrópole, (Portugal); exercia sobre a sua pobre e explorada colônia.

   Silvério era Comandante Coronel do Regimento de Cavalaria Auxiliar de Borda do Campo, (grande coisa!); além de contratador de entradas e proprietário de fazendas e minas. Pois é, mas nem com todo este acúmulo de funções o sujeito conseguiu fazer grana, tamanha era a cobrança dos impostos da Coroa Portuguesa. Silvério devia pra caramba, e se na época existisse SPC ou SERASA, com certeza seu nome estaria lá.

   Vivendo nesta pindaíba, Silvério foi convidado a participar da Inconfidência Mineira, movimento liderado pelo mártir Tiradentes, que além de lutar pela Independência do Brasil, nos deu este feriado gostoso de sexta-feira. Mas Silvério traiu a Inconfidência Mineira e Tiradentes em troca do perdão das dívidas com a Coroa, e o fim desta história todo mundo sabe. Silvério saiu da forca financeira em que se encontrava para colocar seus companheiros na forca real, ou Real, já que a forca era de verdade e pertencia ao regime monárquico.

   Assim como aquele cabra que foi coadjuvante do feriado de sexta-feira passada, Silvério foi um tremendo de um traíra, Tiradentes foi para o enforcamento, tal qual Judas levou Jesus para a cruz. Enfim, desde o Brasil Império já existia "delação premiada" no em nosso país. A diferença é que naquela delação foram desmascarados heróis que lutavam pelo bem da nação, e nas delações atuais, vilões delatam vilões. 


* O Eldoradense

     

20 de abr de 2017

Comentário: "Odebrecht & Oscorp"

"Oscorp", indústria fictícia do Universo Marvel que tem como principal acionista Norman Osborn




"Odebrecht", construtora brasileira que atua em vários segmentos, que teve como fundador Norberto Odebrecht




O famoso vilão do Universo Marvel conhecido como "Duende Verde"



   Viajar um pouco na maionese para atenuar o sofrimento do mundo real às vezes é necessário, pois encarar todo este mar de notícias ruins envolvendo a corrupção em nosso país não está nada fácil. Assistir ao telejornal ou ler as manchetes dos principais sites informativos da internet tem sido uma tarefa complicada, causadora de revoltas, indignação e em casos mais graves, náuseas.

  E é por isso que resolvi fazer esta postagem, que talvez só os amantes do Universo Marvel, através dos gibis e filmes do Homem-Aranha irão entender: Alguém já notou as semelhanças entre as "Indústrias Osborn" e a construtora brasileira "Odebrecht"?

   É sério, pode parecer maluquice, mas quando eu comecei a ter ideia da dimensão do poder da Odebrecht, veio em minha mente as "Indústrias Osborn", mais conhecida atualmente como "Oscorp". Ambas empresas, (uma no mundo fictício e outra no mundo real); possuem grande capital financeiro, atuando cada qual ao seu estilo, no submundo do crime.  

    A "Oscorp" teve como principal acionista "Norman Osborn", empresário inescrupuloso que assumiu em vários momentos o papel de filantropo, homenageado rotineiramente pela sociedade nova-iorquina, mas que na prática, foi o vilão Duende Verde, responsável por muitos crimes, negócios escusos e é claro, também responsável por infernizar a vida do "Homem-Aranha". No filme do super-herói aracnídeo, "Norman Osborn" foi morto acidentalmente em uma luta contra o "Homem-Aranha", mas reaparece no subconsciente do seu filho, "Harry Osborn".  Norman insistiu para para que o jovem desse continuidade ao legado do "Duende Verde", prosseguindo portanto, com a vilania e as atuações criminosas. Harry, depois de muitos conflitos internos, deu continuidade ao legado.

   Na nossa vida real, a construtora Odebrecht foi fundada por Norberto Odebrecht, empresário pernambucano falecido em 2014, mas que corrompia autoridades políticas brasileiras desde a década de 80, segundo as delações premiadas da Operação Lava-Jato. Com o falecimento do empresário, assumiu o controle da construtora o seu filho, Marcelo Odebrecht, que obviamente, deu continuidade às atividades ilícitas envolvendo a empresa e os nossos "digníssimos" políticos. Não seria exagero dizer que pai e filho encarnaram uma versão tupiniquim do "Duende Verde": O "Duende Verde-Amarelo"!

   Reparem que até as iniciais dos nomes das empresas (a letra O), bem como as iniciais dos seus fundadores, (Norberto Odebrecht e Normam Osborn) coincidem, por incrível que pareça!

   A diferença? A diferença é que no mundo fictício, o bem sempre vence o mal, e infelizmente, no mundo real, os vilões têm levado a melhor. Mas quem sabe o juiz Sérgio Moro não seja o nosso "Homem-Aranha?"

* O Eldoradense