30 de set de 2015

Conto: "O chamado"


"O chamado"

    Aquela casa já era grande demais para as duas. Ficou ainda maior para Emília, após o falecimento da mãe. A mulher de trinta e cinco anos optou por não se casar, e mantinha um padrão de vida confortável exercendo a advocacia. A casa grande com traços arquitetônicos antigos no centro da cidade mantinha um ar de imponência e poder, fazendo com que os que passassem por aquela rua admirassem o imóvel. Emília acabara de acordar naquela manhã de domingo, sendo que durante a madrugada, teve um sonho lindo com a mãe.

   No sonho, a senhora havia chamado a filha para visita-la em sua nova casa, cujo endereço não havia informado. Emília procurava um táxi sem qualquer referência, mas o motorista do veículo amarelo parecia saber melhor o destino final da corrida do que a própria passageira. Levou-a até um descampado plano, verde, cheio de árvores e pessoas. A mãe a recebia com um abraço caloroso, que irradiava ternura. Foi quando a advogada acordou, com uma saudade maior do que a de costume. Resolveu ir até o cemitério, pois certamente aquele sonho queria dizer algo. A ligação entre ambas durante a vida era muito forte.

   Chegando à necrópole, dirigiu-se ao túmulo de Dona Gertrudes, e fez as orações costumeiras para a alma da mãe. Ficou à beira do jazigo por quase uma hora, até sentir que o seu coração estivesse um pouco mais confortado da saudade que até então doía pontiaguda em seu peito. Por mais que Emília fosse católica fervorosa, estava difícil aceitar a perda da mãe. Após muitas recordações, meditações e lembranças dos bons momentos vividos pelas duas, resolveu voltar ao casarão, com a saudade mais branda do que quando havia acordado pela manhã.

   Quando avistou o imóvel, percebeu a movimentação das viaturas do Corpo de Bombeiros e a aproximação de vários curiosos. Sua casa havia se incendiado, provavelmente por consequência da deterioração da fiação elétrica tão antiga quanto a mobília daquele lugar. Emília tinha tudo para sentir-se desamparada, amargurada, mas não. Os danos materiais causados pelo incêndio seriam ressarcidos pelo seguro, e sua própria vida, ainda que solitária e vazia, havia sido preservada. Foi quando Emília percebeu que mesmo perdendo a mãe aqui na Terra, havia sido agraciada com um anjo da guarda no céu.  O chamado de Dona Gertrudes até o seu jazigo havia sido mais que providencial, e a jovem advogada captou com perspicácia o sentido da mensagem recebida naquela manhã de domingo...


* O Eldoradense

29 de set de 2015

Poema: "O trem"


"O trem"

Recordo-me com saudade,
Do apito estridente;
Alertando a cidade,
Da composição imponente...

Do trem que se aproximava,
Rasgando nosso chão;
Do furor que provocava;
Na espera da estação...

Das malas carregadas,
Dos biscoitos de polvilho;
Multidões transportadas,
Tantos sonhos sobre o trilho!

Dos que chegavam sorrindo,
Dos que partiam chorando;
Das lágrimas caindo,
E de muitos se abraçando!

Locomotiva e vagões,
Numa antiga sinfonia;
Motor e corações,
Fervilhando nostalgia!

Mas veio a modernidade,
E com ela, o asfalto;
Rodovia e velocidade;
Os pneus rugindo alto...

Hoje, dormem as ferrovias
Sono profundo dos dormentes;
Lembranças e melancolias;
Tão vivas em nossas mentes!


* O Eldoradense

28 de set de 2015

Piada de segunda: "Hermanos sem grana"


"Hermanos sem grana"

  Dois argentinos chegam ao Rio de Janeiro completamente sem grana, então um diz ao outro:

 "Vamos nos separar para pedir dinheiro e ao final do dia nos reunimos para ver quanto cada um de nós arrumou..."

  Ficou combinado assim e cada um vai para o seu lado. Já bem de tarde se encontram de novo e um pergunta para o outro:

 "Quanto você conseguiu juntar?"

   "Só quinze reais!"

   "E como fez?"

  "Fui a uma praça e escrevi um cartaz: No tengo trabajo, tengo 3 hijos que atender, por favor necesito ayuda! E você, quanto ganhou?"

 "Um pouco a mais. Ganhei seis mil e duzentos reais!"

 "Madre de Dios! O que você fez para conseguir tudo isto? Assaltou um banco?"

 "Também escrevi um cartaz. Só que o meu dizia: Me ajude a voltar para a Argentina. Falta só um real!"

27 de set de 2015

Vídeo musical de hoje: "A cura", com Lulu Santos!


"A cura" - Lulu Santos

Existirá
Em todo porto tremulará
A velha bandeira da vida
Acenderá
Todo farol iluminará
Uma ponta de esperança

E se virá
Será quando menos se esperar
Da onde ninguém imagina
Demolirá
Toda certeza vã
Não sobrará
Pedra sobre pedra

Enquanto isso
Não nos custa insistir
Na questão do desejo
Não deixar se extinguir
Desafiando de vez a noção
Na qual se crê
Que o inferno é aqui

Existirá
E toda raça então experimentará
Para todo mal, a cura

Existirá
Em todo porto se hastiará
A velha bandeira da vida
Acenderá
Todo farol iluminará
Uma ponta de esperança

E se virá
Será quando menos se esperar
Da onde ninguém imagina
Demolirá
Toda certeza vã
Não sobrará
Pedra sobre pedra

Enquanto isso
Não nos custa insistir
Na questão do desejo
Não deixar se extinguir
Desafiando de vez a noção
Na qual se crê
Que o inferno é aqui

Existirá
E toda raça então experimentará
Para todo mal, a cura

26 de set de 2015

Comentando "do meu jeito" as notícias da semana...



 1) Mais uma vez, um episódio negativo envolvendo o mundo árabe e seu fervor religioso: na última quinta-feira, durante as comemorações do Ramadã, (mês sagrado para os muçulmanos); ocorreu um tumulto que resultou em tragédia, onde 769 pessoas foram mortas, a maioria por pisoteamento. Segundo a tradição do Islã, o muçulmano deve visitar pelo menos uma vez na vida a Cidade Sagrada de Meca, e o período de peregrinação é de cinco dias durante o mês de setembro. As autoridades sauditas envolvidas na organização do evento estão sendo questionadas por lideranças de outras nações muçulmanas. Questões ligadas à religiosidade são sempre muito complexas, portanto, fica apenas o registro do lamentável fato.



   2) O famoso ator Johnny Depp, aproveitando sua passagem pelo Brasil no Rock in Rio, onde se apresentou com a banda Hollwyood Vampires, fez um gesto de grande nobreza: doou duzentos aparelhos para pessoas com deficiência auditiva. Já que o nosso Sistema Público de Saúde vive cambaleante por conta os constantes saques dos "Piratas de Brasília", o nobre "Pirata do Caribe" teve que vir de terras estrangeiras para dar o exemplo. Coisas que acontecem no Brasil...



  3) Fogo no Dilmocóptero! Tá certo que a maioria do povo brasileiro quer que a presidente caia, mas acho que se trata de uma metáfora, e não do sentido real da expressão. Anteontem, antes de ir para Nova York  no avião presidencial, a presidente embarcou neste helicóptero em Brasília. Foi quando os fotógrafos captaram esta chama saindo da aeronave momentos antes da decolagem. Segundo especialistas, é normal que o fenômeno ocorra durante o acionamento do aparelho.  Se um dia eu for para Nova York, não vou de avião ou helicóptero, justamente para evitar este tipo de susto. Vou de caminhão, fazendo-o voar nas nuvens, com os cabelos soltos a rolar no vento. Esqueçam a parte dos cabelos ao vento, isso não me pertence mais...



  4) PNC: Partido Nacional Corinthiano. Sim, amigo leitor, é isso mesmo que você leu! Na última semana, os juízes do TSE, julgaram, por unanimidade, (7x0); improcedente a tentativa de fundação do Partido Nacional Corinthiano. Confesso que fiquei surpreso, pois ver sete juízes prejudicando o Corinthians, é mesmo muito estranho!!!!!

* O Eldoradense

  

23 de set de 2015

Poema: "O insano e a insônia"


"O insano e a insônia"


Quando a maioria adormece,
Inicia-se a tormenta;
Uma alma padece,
E sem sono, lamenta...

Vagando acordado,
Pelos cômodos da casa;
 Fantasma encarnado,
Pensamentos em brasa...

Chama que arde,
Compulsão e agonias;
Anoitece, é tarde,
Fome de poesias,

Não abro a geladeira,
Mas quero sopa de letrinhas;
A criatividade, sorrateira,
Encorpa as primeiras linhas...


Os dedos digitam,
Latejante inspiração;
Os versos saltitam,
Tal qual o coração...

Coração de poeta,
Insano, descompassado;
Mente inquieta;
A insônia, ao lado...

O sono hipnotiza,
Após o verso derradeiro;
Quando o poema se concretiza;
Bem-vindo, travesseiro!


                  * O Eldoradense                                

22 de set de 2015

Conto: "Tecnofrieza"


"Tecnofrieza"

     Seis da manhã. O despertador do aparelho celular de Dionízio toca, como ele havia programado na noite anterior. Ele acorda, alonga os braços e vai até ao banheiro. Toma banho, faz a higiene pessoal do início do dia e vai tomar o café matinal. Percebe que não está com tanta fome, e devora um pão francês com manteiga enquanto bebe um gole de café requentado, feito anteontem. Enquanto faz o desjejum de forma automática, liga novamente o aparelho celular e checa e-mails, lê as notícias e verifica as diversas mensagens dos vários amigos que possui nas diversas redes sociais.

   Hora de ir para o trabalho. Dionízio observa através de um aplicativo do aparelho celular as condições de tráfego na rua, a melhor rota a ser tomada, para evitar congestionamentos e chegar com pontualidade ao banco onde defende sua sobrevivência. Nas ruas de movimento menos intenso, confere os resultados dos jogos de futebol, mantendo uma das mãos ao volante, e a outra no aparelho celular. Distraído, freia bruscamente na faixa de pedestres, onde um transeunte, também distraído, manuseia o seu aparelho celular. “Ah, estes pedestres!  Como atravessam a rua sem olhar para os lados?”

   Durante a manhã, desconecta do aparelho celular, mas não da internet. Pelo computador do  banco, verifica a cotação do dólar, do ouro, as ações na bolsa e os juros da poupança. Só para descontrair um pouco, vê quanto custa o novo aparelho celular da Sanguessuga, top de linha, que deverá se manter imbatível nas lojas por três semanas, no máximo. Manda uma mensagem para a noiva, que trabalha no mesmo banco, vinte metros distante da sua mesa. Um convite para o almoço, naquela lanchonete que serve o melhor X-Burger do quarteirão. Ela aceita.

    Na mesa, enquanto esperam os sanduíches e os refrigerantes, eles conversam. Não um com o outro, mas cada qual com seus respectivos amigos, em seus respectivos aparelhos celulares. Comem os lanches e tomam o refrigerante rapidamente, pois era hora de voltar ao trabalho.

    Na outra metade do expediente, vê, através de uma mensagem da rede social, que naquele dia era aniversário da sua mãe. “Puxa, não dava para ir até o outro lado da cidade!” Teve uma ideia brilhante: enviou uma mensagem de “Feliz Aniversário” para ela, acompanhada dois “emoticons” diferentes: um buquê de rosas e vários coraçõezinhos. Ela retribuiu com outros coraçõezinhos e um “obrigado”. O mercado financeiro se mantém volátil, cheio de altos e baixos, como uma montanha-russa desafiando os especuladores. Dia de trabalho difícil, mas que enfim, chega ao seu final. A noiva, com pressa, enviou um “estou indo para a facu”, pelo celular mesmo, sem tempo para qualquer despedida mais calorosa.

  Dionízio retorna ao apartamento, enfrenta congestionamento inevitável, segundo o infalível aplicativo do aparelho celular. Toma banho, abre a geladeira e percebe que não há nada para jantar. Através de um site, pede uma pizza e um refrigerante pelo celular. Um bom tempo depois, a pizza chega, porém fria. Não teve ânimo para reclamar com o entregador, pois sua indignação perdia feio para a fome. Checou as notícias, abriu as redes sociais, quando finalmente, bateu o sono. Colocou o despertador do aparelho celular para tocar às seis da manhã do dia seguinte. Dionízio não fez uma oração de agradecimento, não deu um beijo na noiva, não visitou sua mãe no dia do aniversário dela. Um dia marcado pela frieza tecnológica. Frieza proporcional à da pizza escolhida através de um aplicativo do aparelho celular...


* O Eldoradense

21 de set de 2015

Piada de segunda: "Culturas diferentes"


"Culturas diferentes"


    O menino, lendo um livro que pesquisava as diferentes culturas dos países do mundo, pergunta ao pai:

   "Papai, é verdade que em muitos países do Oriente, o homem só conhece a esposa depois da cerimônia de casamento?"

    O pai, enquanto folheava um jornal, responde:

    "Filho, na verdade isto ocorre em todo lugar do mundo!"

20 de set de 2015

Vídeo musical de hoje: "Ai que saudade d'ocê", com Fábio Júnior


"Ai que saudade d'ocê"

Não se admire se um dia
Um beija-flor invadir
A porta da tua casa
Te der um beijo e partir

Fui eu que mandei o beijo
Que é pra matar meu desejo
Faz tempo que não lhe vejo
Ah! que saudade d'ocê
Ah! que saudade d'ocê

Se um dia ocê se lembrar
Escreva uma carta pra mim
Bote logo no correio
Com frases dizendo assim

Faz tempo que não lhe vejo
Quero matar meu desejo
Lhe mando um monte de beijo
Ah! Que saudade sem fim

E se quiser recordar
Aquele nosso namoro
Quando eu ia viajar
E ocê caía no choro

Eu chorando pela estrada
Mas o que eu posso fazer
Trabalhar é minha sina
Eu gosto mesmo é d'ocês!

Se um dia ocê se lembrar
Escreva uma carta pra mim
Bote logo no correio
Com frases dizendo assim

Faz tempo que não lhe vejo
Quero matar meu desejo
Lhe mando um monte de beijo
Ah! que saudade sem fim

Ah! que saudade sem fim!

E se quiser recordar
Aquele nosso namoro
Quando eu ia viajar
E ocê caía no choro

Eu chorando pela estrada
Mas o que eu posso fazer
Trabalhar é minha sina
Eu gosto mesmo é d'ocê

Ah! saudade d'ocê!

19 de set de 2015

Comentando "do meu jeito" as notícias da semana...


  1) Surpreendente a decisão do Contran, (Conselho Nacional de Trânsito), de tornar o uso dos extintores facultativo, após a obrigatoriedade de sua utilização ser regulamentada, causando uma procura desenfreada por parte dos condutores para que se evitasse multas. Os extintores "seriam" obrigatórios até  1º de outubro, mas a decisão foi modificada. Quem teve que gastar mais de cem reais na aquisição do produto para não ser autuado, ficou revoltado, e com razão. É fogo!!!!

   

 2) Gilmar Mendes deu algumas declarações bombásticas envolvendo a polêmica sobre o financiamento das empresas para campanhas eleitorais. Citou que o PT instalou a "cleptocracia" no país e criticou a postura da OAB, também contrária ao financiamento das empresas nas campanhas eleitorais. Quanto a tal "cleptocracia", até concordo que o PT tenha potencializado o fenômeno, mas ele já ocorre no país há muito tempo. Quanto ao financiamento empresarial para as campanhas eleitorais, creio que devam ser suspensos, pois a relação entre empresários corruptores e políticos corruptos é promíscua, um jogo de cartas marcadas onde quem financia a campanha exige retorno futuro. Vejo na OAB uma instituição séria, bem mais séria que o PT e o próprio Gilmar Mendes, que inclusive já levou uma "chamada" do ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, que acusou Mendes de "destruir a imagem da justiça no país". 


  3) O Rock in Rio está fazendo novamente um tremendo sucesso. E o show da banda Queen + Adam Lambert foi bastante elogiado, tanto pela performance dos músicos quanto pelo desempenho do vocalista, substituto do mito Freddie Mercury. Não querendo ser chato ou demasiadamente crítico, eu não me empolguei ao assistir pela TV o show. Adam Lambert se saiu bem, é verdade, mas a referência musical de Freddie Mercury para a banda é muito forte, deixando uma lacuna a ser preenchida.


  4) Num momento em que o país está infestado de notícias negativas e repugnantes, um "oásis noticioso": Joaquim Corsino, um pedreiro de 63 anos, formou-se em direito no Espírito Santo. Ele pedalava diariamente o equivalente a 42 km no trajeto de ida e volta da sua casa para a universidade, entre Cariacica e Vitória. Um exemplo a ser seguido, de luta e perseverança, que todos nós deveríamos nos espelhar. Imagem bonita, que serve de alento e que reacende uma fagulha de esperança em meio a tanto descrédito em tudo. A reportagem exibida no Jornal Nacional, foi de emocionar, e o sorriso de Corsino na foto, é de uma alegria genuína e singela. Que Deus continue abençoando este cara, pois ele, de fato, merece!


* O Eldoradense

16 de set de 2015

Conto: "O funcionário fantasma"



“O funcionário fantasma”


   Naquela manhã de feriado prolongado, Josias adentrou na repartição em que trabalhava há pouco mais de vinte anos. Todas as vinte e cinco escrivaninhas distribuídas em pouquíssimos metros quadrados estavam vazias. Josias sentou-se na última cadeira, a do canto esquerdo, pois assim teria uma visualização melhor de todo aquele espaço. As mobílias velhas e as pilhas infindáveis de papeis denunciavam a ineficiência e a burocracia encalacradas naquele lugar. Começou a digitar o relatório às sete da manhã, com uma baita agilidade nos dedos incansáveis. Não parou para tomar café, nem para discutir futebol com os amigos, pois todos eles estavam curtindo o feriado prolongado. Terminar aquele relatório era questão de honra.

   Na hora do almoço, não fez refeição alguma, pois não sentia a mínima necessidade de se alimentar. Olhava pela fresta da janela de vidro e percebia o sol bonito lá fora. Convidativo, brilhante, ótimo para o lazer. Mas como funcionário comprometido e perfeccionista,  cumpriria o serão extra com prazer, em nome da produtividade e do ego de homem correto.

   Duas da tarde, três, quatro, cinco horas! O relatório ainda demandaria mais duas horas do seu feriado, mas ele não se importava. Ficaria até às dezenove horas, se assim fosse necessário. Quando o relógio marcou dezoito horas e cinquenta minutos, um homem com semblante sereno, chamado Gabriel, também adentrou à repartição, fazendo a cobrança:

      - Satisfeito, Josias?

    O correto funcionário assentiu com a cabeça, enxugou as lágrimas e olhou pela última vez para aquele lugar em que defendeu o pão de cada dia por mais de duas décadas. Era hora de deixar definitivamente aquela repartição, como também, o mundo dos encarnados. Ele havia falecido no dia anterior, num acidente ocorrido na BR-101, em viagem com a família para o litoral sul do Rio de Janeiro. Mas para o seu consolo, o relatório estava concluído, pois ele desconfiava que dificilmente os seus outros vinte e quatro colegas de trabalho dariam prosseguimento à confecção do documento.

   O homem do semblante sereno colocou um das mãos sobre o ombro de Josias, sendo que um portal brilhante se abriu, e ambos se dirigiram rumo ao desconhecido. Josias foi o funcionário fantasma mais exemplar que o setor público já conheceu...


                                        * O Eldoradense

15 de set de 2015

Poema: "Mar"


“Mar”


Mar que alimenta mitos,
E tantas crenças folclóricas;
Das mandingas, dos ritos,
Das epopeias históricas!


Suas ondas quebrando,
Na escaldante areia;
Melodia encantando,
Como o canto da sereia!


A mãe dos pescadores,
Perfuma o seu coração,
Iemanjá pede flores...
Em troca de proteção!


O homem sedutor;
Das festas enluaradas;
É o boto predador,
Devorando as imaculadas!


Na imensidão de água e sal,
Está submerso um império;
Atlântida é a capital,
Encontrá-la é mistério!


Em tua profundidade,
Netuno é soberano,
Nobre divindade;
Deus-rei do oceano!


* O Eldoradense


14 de set de 2015

Piada de segunda: "Creme de beleza"


"Creme de beleza"

  O menino vê a mãe aplicando um creme facial no próprio rosto e pergunta:

   "O que você está fazendo, mamãe?"

   "Estou aplicando este creme no meu rosto para ficar mais bonita.."

    Alguns minutos depois, ela passa o algodão para retirar o creme, e o menino, então, pergunta:

    "Ué, mãe... já desistiu!?"  

13 de set de 2015

Clipe de hoje: "Trem do Pantanal", com "O bando do velho Jack"!


"Trem do Pantanal"

Enquanto esse velho trem 
atravessa o pantanal
As estrelas do cruzeiro fazem o sinal

De que esse é o melhor caminho
 pra quem é como eu
Mais um fugitivo da guerra..

Enquanto esse velho trem
 atravessa o pantanal
O povo lá de casa espera que eu mande um postal
Dizendo que eu estou muito bem, e vivo
Rumo a Santa Cruz de La Sierra!

Enquanto esse velho trem 
atravessa o pantanal
Só meu coração está batendo desigual
Ele agora sabe que o medo viaja também 
Sobre todos os trilhos da terra...

12 de set de 2015

Comentando "do meu jeito" as notícias da semana...



  1) A cinegrafista de uma emissora de TV da Hungria, Petra Laszlo, foi flagrada chutando e dando rasteiras em dois refugiados durante a crise migratória da Europa. A mulher foi demitida, e após muitas críticas dos internautas, disse estar arrependida e que agiu movida ao "impulso do medo". Posso assistir a imagem mil e quinhentas vezes, e chego sempre à mesma conclusão: ela agiu movida ao impulso da intolerância!




  2) A Rainha Elizabeth se tornou a monarca a ocupar mais tempo o trono no Reino Unido, batendo o recorde da sua tataravó, Vitória. São mais de 63 anos e 216 dias na condição de rainha. Com toda esta "longevidade imperial"; Bete, - eu sou amigo íntimo dela-, atualmente é a coroa inglesa que ficou mais tempo com uma coroa na cabeça.


  


   3)  A conceituada agência de crédito Standard & Poor's rebaixou o grau de investimento no Brasil, motivada pelos rombos das contas públicas do Governo Federal. Péssima notícia para o país, que está mergulhado em uma crise política e econômica. Ou seja: Dilma conseguiu fazer o Brasil ser rebaixado antes do Vasco da Gama!


  4)  E falando em Vasco da Gama, os cruz-maltinos venceram a Ponte Preta por 1x0, em Campinas. A última vitória vascaína no Campeonato Brasileiro até então, havia ocorrido há 52 dias. Mas não vai ter jeito não: o time é o último colocado na tabela de classificação, e fatalmente será rebaixado, como a economia brasileira. Está explicado porque os vascaínos estão usando uniforme preto com uma cruz no peito na foto acima: luto anunciado!



    5) A Polícia Federal irá pedir ao STF a convocação do ex-presidente Lula para prestar esclarecimentos em inquérito da Operação Lava-Jato. Até acredito que ele será convocado, mas fico aqui imaginando suas respostas: "Não sabia", "não sabia" e "não sabia"...



    6) As imagens acima, aconteceram em duas delegacias de São Paulo, em datas diferentes, porém, na mesma semana! Na primeira, um go go boy anão foi contratado para fazer uma performance, e na segunda, aconteceu uma festa, onde rola pagode e cerveja! Como se não bastasse, a delegada responsável pelo local aparece em vídeo, dançando com a desenvoltura de uma Globeleza nórdica! Duvido que ao ver tais cenas, o leitor não se lembrou daquele filme de comédia chamado "Deloucacia de Polícia". Pois é, seria cômico se não fosse trágico....


* O Eldoradense