29 de out de 2014

Debater pra quê?


Debater pra quê?



 Ando pela calçada da praça, quando um amigo de longa data, com a cara mais amarrada do que de costume, me aborda:

 - E aí, velho, como estão as coisas?

 - Indo... 

  - Viu como o povo desse país é burro?

  - Ah, eu não penso assim não. Você acha?

  - Claro! Votaram na Dilma...

  - Ah, eu votei na Marina no primeiro turno, mas no segundo votei na Dilma. Não me considero o dono da verdade, mas também não me acho burro não...

  - Eu não acredito que você votou na Dilma! (Obs: ele sabe que desde 1998 eu não voto no PSDB)

  - Bom, se você não acredita, paciência...

  - Não acredito que você votou no partido corrupto do mensalão, da roubalheira na Petrobrás...

  - Ah, eu não quis votar no partido corrupto do trensalão, da emenda da reeleição, do caso SIVAM...

   - Poxa, mas os caras pagavam propina para os políticos do PT e da base aliada...

  - E parece que também para o finado Sérgio Guerra, que era presidente do PSDB...

 - Caramba, cara! Mas e a inflação?

  - É, este problema precisa mesmo maior atenção. Se chegar ao índice do final do governo FHC, vai complicar mais ainda...

   - Mas e o financiamento com o dinheiro do povo brasileiro para construir um porto em Cuba?

  - O mesmo trâmite imoral que viabilizou o BNDS financiar o metrô de Caracas (Venezuela), durante o governo FHC...

  -  Esse povo só vota na Dilma por causa do Bolsa Família, não querem trabalhar!

  -  Eu trabalho desde os dezessete, hoje estou com trinta e seis e nunca recebi bolsa família. Mas também não julgo quem recebe.

  -Quem votou nela é o povo do nordeste, que não tem estudo!

  -Eu sou descendente de nordestinos, mas nasci no Sudeste.Consegui, a muito custo, chegar ao ensino superior. Só que na época, eu tive que ser aprovado em vestibular de uma faculdade pública mesmo, porque não havia as facilidades que hoje existem para se fazer uma universidade...

  - É preciso separar o Nordeste do restante do Brasil! Ela só ganhou lá!

  - Ganhou também na terra do seu candidato, (Minas Gerais), e também no Rio de Janeiro...

  - É, mas no Rio só tem favelas e crime organizado!

  - Em São Paulo, não tem não?

  - Em Minas ela só ganhou por causa daqueles pobres do Vale do Jequitinhonha!

  - O Vale do Jequitinhonha tem menos de um milhão de habitantes, enquanto o estado de Minas tem vinte milhões. Além disso, ela venceu em sete das dez regiões administrativas do estado, inclusive no próspero Triângulo Mineiro...

 -  Mas a Dilma a gente conhece, sabe que é ruim! Precisávamos apostar na mudança!

  - Pois é! E o povo mineiro conhece bem o Aécio, e talvez por isso tenha optado pela continuidade...

  * A partir deste momento, o "debate" entra para um nível mais sofrível, baseado em boatos, suposições, e futilidades. Ele novamente inicia:

   -Aquele comedor de farinha do Lula é "bebão"!

   - Pode até ser, mas nunca foi pego dirigindo alcoolizado em blitz da PM. E se o Lula degusta farinha, o Aécio...

   - A Dilma é "Sapatona!"

   - Cara, é daí se ela for homossexual!? Antes uma governante que supostamente ama as mulheres do que um que as empurra publicamente, em festas badaladas da noite carioca. Leia o blog do Juca Kfouri!

  - O povo é assim mesmo, desde os primórdios! Absolveu Barrabás na época das crucificações...

  - Quer dizer que o Aécio é Jesus Cristo??
   
  - Os "artistas" apoiaram o Aécio!

   - "Chitãoró e Xorãozinho", Zezé e Luciano, César Menotti e Fabiano. São bons artistas, mas eu prefiro ficar do lado em que estão Chico Buarque e Zeca Baleiro...

  -  O apoio do Chico Buarque foi comprado!

  -  E quem garante que o dos sertanejos não foi?

  - Ah, esquece! Com você não adianta debater! Vou indo nessa, tenho que arrumar as coisas para viajar amanhã..."

-Pra onde você vai!?

 -  Porto Seguro, na Bahia!"

 -  Falou, boa viagem! Ah, aproveita e passa na farmácia e compra uma cartela de diclofenaco!
  
  - Uai, pra quê?

  - Diminui a dor de cotovelo...

  -  Vai te catar, seu petista de M!
    
    Não sou petista. Tanto que no primeiro turno, votei na Marina para presidente e no Skaf para governador. Mas só agora entendi porque o meu "amigo" queria separar o Nordeste do restante Brasil: para depois, dizer que fez uma viagem ao exterior!

  Obs: é claro que este "debate" é fictício. Mas penso que ele sirva para ilustrar o quão é inútil ficar discutindo política neste momento, enquanto os ânimos ainda estão acirrados, sob pena de aborrecimentos desnecessários. Do lado dos derrotados, muitos não assimilaram o golpe, partindo até para as ofensas pessoais. Do lado vitorioso, muitos tripudiam, numa demonstração clara de imaturidade. Por alguns dias, é melhor falar sobre outros assuntos, já que discutir política neste momento, não vai mudar em nada o resultado das urnas.


* O Eldoradense

28 de out de 2014

Eleições: Xenofobia, chororô e falta de respeito.

Mapa da apuração dos votos para presidente nos estados brasileiros: em vermelho, estados onde Dilma venceu. Em azul, os estados onde Aécio venceu.



   
 Novamente a falta de respeito às liberdades de escolha e às individualidades afloraram em período pós eleitoral. E mais uma vez, os nordestinos foram os alvos prediletos de uma parcela de eleitores deselegantes que não aceitaram a derrota do seu candidato nas urnas. As redes sociais assumiram verdadeiro papel de "terra de ninguém", onde alguns se julgam no direito de menosprezar o voto alheio. Atitude fascista, com traços de explícita xenofobia, que mereceria desprezo, se o assunto não fosse tão sério.

  Tais pessoas não entendem que o intuito do sufrágio universal é maior que suas convicções particulares, e que julgar um povo por suas escolhas é demonstrar imaturidade patética, soberba e presunçosa.

 Além disso, quem acompanha mais atentamente o contexto político nacional, sabia que o Nordeste daria ampla vantagem à candidata Dilma Roussef, mas talvez não contasse com o viés regional mais surpreendente deste segundo turno: a nova derrota de Aécio Neves em Minas Gerais. E aí, eu pergunto: por que os "guerrilheiros virtuais xenófobos" não destilaram o seu veneno preconceituoso sobre os conterrâneos do candidato tucano? Será que é porque é mais corriqueiro e mais fácil agredir os nordestinos?

  Covardia barata, imbecil e anti-democrática. Que tais pessoas julguem Lula, Dilma, ou quem quer que seja. Mas que respeitem os eleitores, seja deste ou daquele candidato. A vontade das urnas pode até ser contestada dentro de um debate maduro e civilizado, mas não com tamanha animosidade. 

    Que Dilma faça um governo melhor do que o seu pífio primeiro mandato, e que os opositores cumpram o seu papel, que é de legislar e de fiscalizar. Que as discordâncias sejam expostas de uma forma madura, e não raivosa. As eleições passaram, mas o Brasil continua, pois nosso país é muito maior que políticos, partidos e picuinhas gratuitas. É isso. 

      Curiosidades e constatações destas eleições:

    1) Os gaúchos mantiveram a tradição de não reeleger o seu governador;

      2)  A aprovação de 92% que Aécio Neves alegava ter durante a campanha presidencial não foi revertida em votos no seu estado. Dilma venceu o tucano nos dois turnos das eleições, bem como o petista Fernando Pimentel venceu as eleições para governador, sem necessidade de segundo turno. Estranho, não?

    3) Caiu por terra a teoria de que a derrota vexatória da seleção brasileira na Copa do Mundo influenciaria no resultado das urnas: o povo provou saber separar uma coisa da outra;

   4) O PSDB mais uma vez provou inexistir no estado do Rio de Janeiro;

    5) São Paulo é um forte reduto tucano, o que prova o prestígio dos governantes do PSDB ao longo de 20 anos de mandato, prorrogáveis por mais quatro, haja vista que Alckmin foi reeleito;

    6) O estado do Acre reelegeu um governador petista, mas deu a Aécio Neves a maioria dos votos nas eleições presidenciais.

    7) O apoio declarado de Marina Silva a Aécio Neves não teve grande relevância no resultado final do segundo turno;

   8) Até o momento em que 89% das urnas já haviam sido apuradas, Aécio Neves vencia as eleições. Foi só a partir deste percentual que Dilma virou o jogo.

    9) Após FHC, Aécio Neves foi o tucano com melhor desempenho nos embates contra o PT: Serra, em 2002 e 2010, e Alckmin, em 2006, não chegaram nem perto do bom desempenho eleitoral do mineiro.

   10) O tucanato tem pelo menos três nomes fortes para as eleições de 2018: Aécio, Serra e Alckmin. Beto Richa, atual governador do Paraná, corre por fora.

   11) Lula é nome forte para 2018 no PT, ainda que ele mesmo negue a intenção de concorrer novamente ao mais alto cargo político do país.


* O Eldoradense
   

27 de out de 2014

Piada de segunda: " O gato assassino"


"O gato assassino"

  O policial atende o telefonema no serviço de 190:

  "Por favor, socorro, tem um gato invadindo minha casa!"

  "Um gato?"

   "Sim!"

   "Mas você quer dizer gato...ladrão!?"

   "Não! Quero dizer gato, que tem quatro patas e faz miau! E anda logo, porque se vocês demorarem, ele vai me matar!"

    "Te matar? Isso é um trote? Quem está falando?"

    "O papagaio, caramba!"

26 de out de 2014

Vídeo musical de hoje: "Geni e o Zepelim", com Chico Buarque!


Geni e o Zepelim, com Chico Buarque

De tudo que é nego torto
Do mangue e do cais do porto
Ela já foi namorada
O seu corpo é dos errantes
Dos cegos, dos retirantes
É de quem não tem mais nada

Dá-se assim desde menina
Na garagem, na cantina
Atrás do tanque, no mato
É a rainha dos detentos
Das loucas, dos lazarentos
Dos moleques do internato

E também vai amiúde
Com os velhinhos sem saúde
E as viúvas sem porvir
Ela é um poço de bondade
E é por isso que a cidade
Vive sempre a repetir

Joga pedra na Geni!
Joga pedra na Geni!
Ela é feita pra apanhar!
Ela é boa de cuspir!
Ela dá pra qualquer um!
Maldita Geni!

Um dia surgiu, brilhante
Entre as nuvens, flutuante
Um enorme zepelim
Pairou sobre os edifícios
Abriu dois mil orifícios
Com dois mil canhões assim

A cidade apavorada
Se quedou paralisada
Pronta pra virar geleia
Mas do zepelim gigante
Desceu o seu comandante
Dizendo: "Mudei de ideia!"

Quando vi nesta cidade
Tanto horror e iniquidade
Resolvi tudo explodir
Mas posso evitar o drama
Se aquela formosa dama
Esta noite me servir

Essa dama era Geni!
Mas não pode ser Geni!
Ela é feita pra apanhar
Ela é boa de cuspir
Ela dá pra qualquer um
Maldita Geni!

Mas de fato, logo ela
Tão coitada e tão singela
Cativara o forasteiro
O guerreiro tão vistoso
Tão temido e poderoso
Era dela, prisioneiro

Acontece que a donzela
(E isso era segredo dela)
Também tinha seus caprichos
E ao deitar com homem tão nobre
Tão cheirando a brilho e a cobre
Preferia amar com os bichos

Ao ouvir tal heresia
A cidade em romaria
Foi beijar a sua mão
O prefeito de joelhos
O bispo de olhos vermelhos
E o banqueiro com um milhão

Vai com ele, vai, Geni!
Vai com ele, vai, Geni!
Você pode nos salvar
Você vai nos redimir
Você dá pra qualquer um
Bendita Geni!

Foram tantos os pedidos
Tão sinceros, tão sentidos
Que ela dominou seu asco
Nessa noite lancinante
Entregou-se a tal amante
Como quem dá-se ao carrasco

Ele fez tanta sujeira
Lambuzou-se a noite inteira
Até ficar saciado
E nem bem amanhecia
Partiu numa nuvem fria
Com seu zepelim prateado

Num suspiro aliviado
Ela se virou de lado
E tentou até sorrir
Mas logo raiou o dia
E a cidade em cantoria
Não deixou ela dormir

Joga pedra na Geni!
Joga bosta na Geni!
Ela é feita pra apanhar!
Ela é boa de cuspir!
Ela dá pra qualquer um!
Maldita Geni!

Joga pedra na Geni!
Joga bosta na Geni!
Ela é feita pra apanhar!
Ela é boa de cuspir!
Ela dá pra qualquer um!
Maldita Geni!

24 de out de 2014

Filme: "Uma história de amor e fúria"



    Amigos leitores, anteontem assisti no canal HBO um filme nacional em animação  intitulado "Uma história de amor e fúria", cuja qualidade me deixou bastante surpreso. A história narra a saga de um herói imortal que vive na pele diferentes momentos da história do Brasil, passando pelo início da colonização, a escravidão, a luta contra a ditadura militar, e no futuro, o conflito pelo acesso à água potável.

  A linguagem e a fotografia lembram os quadrinhos, sendo que a obra pode ser didaticamente aplicada em salas de aula, em disciplinas como Geografia, História e artes, por exemplo. Realidade e ficção misturados em um trabalho que provocam o senso crítico do espectador, levando-o a uma reflexão interessante sobre os conflitos sociais do nosso país ao longo de sua história. Recomendo, e tenho certeza absoluta que quem assistir também irá gostar.

* O Eldoradense

  

23 de out de 2014

Vídeo muito engraçado sobre o "vice" de Aécio....



  A imaginação e a criatividade geralmente prestam bons serviços ao humor. Em clima pré-eleitoral, uma marchinha de carnaval está fazendo bastante sucesso na net. Confiram no vídeo acima...

22 de out de 2014

Texto de Zeca Baleiro: "Um voto crítico, mas convicto"


Zeca Baleiro é cantor, compositor e cronista


  O direito à oposição e o anseio pela alternância de poder são pressupostos básicos de um estado democrático. Desejar e acalentar o sonho de mudanças também é uma natural aspiração de todo cidadão.
 Acho o governo Dilma criticável, como todo governo o é. Acho o PT criticável também, como todos os partidos o são. Como todo brasileiro, anseio por mudanças que urgem, embora reconheça que há mudanças políticas em curso neste governo que são louváveis. De qualquer modo, embora Dilma tenha seus pontos vulneráveis, não vejo adversário digno de sucedê-la. Mudar por mudar não me parece conveniente. Um dos argumentos mais usados pelos detratores da atual presidente e seu partido é o de que “estão há muito tempo no poder”. Esquecem que os tucanos há 20 anos ocupam o trono do governo de São Paulo (e há tempos vêm cometendo pecados sem perdão como o desmando irresponsável que gerou a crise de abastecimento de água no estado), isso sem falar nas oligarquias do Maranhão, há 48 anos roendo o osso do poder, e a de Alagoas, há outros tantos anos se perpetuando na política local (e estes casos nem devem ser levados em conta, pois, além de antidemocráticos, são imorais).
 Um governo comprometido socialmente deve dirigir o olhar primeiramente aos desfavorecidos, aos excluídos do jogo social, isso é óbvio. Este governo que aí está fez isso. E o que não faltam no Brasil são pessoas vivendo em quadro de pobreza extrema, privadas dos direitos básicos de cidadão, massa de manobra barata para oligarcas usurpadores. Quando o buraco é muito fundo – e o fosso social no Brasil é pra lá de fundo -, não há como não ser assistencialista, infelizmente. Uma das frases feitas que mais me indignam neste pobre debate político (debate entre aspas) é a máxima hipócrita de que “é melhor ensinar a pescar do que dar o peixe”. Ora, como ensinar a pescar um sujeito devastado pela fome e pela doença?

  Outro argumento usado à exaustão é o da corrupção, e não podemos nos enganar - todos os partidos, quando ocupam o poder, caem em tentação, para nossa desgraça. A diferença básica neste Fla-Flu de corruptos é que os do PSDB seguem impunes, os do PT nem tanto. Só a punição exemplar desses bandidos somada à vigilância social mais ferrenha poderá fazer banir esta "cultura da corrupção" que hoje impera no país, ou ao menos reduzir os seus índices.
  Não sou petista nem sou apegado a partidos ou candidatos. Voto com independência. No primeiro turno, meu voto foi dividido entre candidatos do PSOL, do PSB e do PT. Isto me parece coerente. Se nos próximos anos aparecer uma grande e confiável liderança política de outro partido, não hesitarei em mudar meu voto, desde que seu projeto tenha viés socialista, único projeto político que penso ser viável no mundo de hoje. Isto também me parece coerente.
  O que não me parece coerente é ver a ex-candidata Marina Silva, arauta da “nova política”, anunciando seu apoio à candidatura Aécio Neves. Todos sabemos que a sua trajetória de luta contra os barões malfeitores do Acre a aproxima ideologicamente mais do PT, e não foi à toa que ela assumiu a pasta do Meio-Ambiente no governo Lula. Isto que ela agora faz é velha politicagem, jamais nova política. Sabemos para onde miram os políticos do PSDB, e no que vai resultar um novo governo tucano (e faço questão de afirmar o mesmo repúdio às alianças eleitoreiras do PT com velhos caciques paroquiais como Sarney, Collor e Calheiros).
  Se a intenção de parte do eleitorado era destronar o PT e Dilma a qualquer custo, então que votasse num partido mais à esquerda (sim, eles existem) e não num partido que reza na cartilha do datado neoliberalismo que levou à convulsão social e ao desemprego massivo países europeus sólidos como França e Espanha, e que quase levou o Brasil à bancarrota, na era FHC. Este, por sua vez, sociólogo pós-graduado na Universidade de Paris, tem como hobby disparar frases infelizes, como a recente declaração preconceituosa e separatista sobre os nordestinos e seu voto, segundo ele, catequizado. Com todo o respeito que possa merecer, o ex-presidente está na Idade Média da Sociologia. Avançamos muito nos últimos anos em termos de “pensamento social”. Não há porque retroceder.

  Votarei em Dilma e, caso ela seja eleita, terá em mim um crítico implacável de seu governo. É assim que entendo o que chamam de democracia. O resto é balela.
P.S.: Peço aos internautas que queiram comentar, criticar ou divergir do meu texto, que o façam civilizadamente, com argumentos embasados, não com ofensas ou baixarias. De baixo, já basta o nível do debate dos nossos candidatos na corrida eleitoral. 



   Zeca Baleiro

21 de out de 2014

Pela primeira vez, questiono a eficácia das pesquisas eleitorais...



  
   Ontem saiu mais uma rodada de pesquisas eleitorais, realizadas por três institutos: CNT/MDA, Datafolha e Vox Populi. Em todos eles, a candidata petista Dilma Roussef está numericamente à frente do seu opositor Aécio Neves, em situação de empate técnico. A questão é que, pela primeira vez em minha vida, eu estou duvidando da eficácia das pesquisas eleitorais: não pela honestidade dos institutos, mas sim, por acreditar há algum equívoco nas metodologias por eles aplicadas. Digo isso porque os tais institutos de pesquisa erraram feio nos percentuais de intenção de voto no candidato tucano no primeiro turno, bem como em várias eleições estaduais, e diga-se de passagem, prejudicando também o PT, tanto em São Paulo quanto na Bahia, por exemplo.

   Vejo uma tendência de vitória de Aécio no domingo, ainda que os institutos digam o contrário nas pesquisas de ontem. O Centro-Sul do país é a região de maior contingente populacional do Brasil, e nela, penso que Aécio esteja liderando com folga. Mesmo que o tucano perca para feio para a petista no Norte e no Nordeste, creio que a diferença obtida nos estados mais populosos  garanta a Aécio a vitória pós apuração. Enfim: pode ser que até o dia das pesquisas "boca de urna", os institutos acusem nova reviravolta, ou denunciem um quadro mais confortável para eles próprios - o do empate - pois afinal, é melhor manter a credibilidade embasando-se na imprevisibilidade do que apostar em novas possibilidades de erros.

   A propósito, apesar de ter feito este comentário duvidando da dianteira de Dilma nas intenções de voto, reafirmo meu posicionamento contrário ao tucanato, ratificando o meu voto na petista. Ainda assim, deixo claro que respeito o voto dos meus vários amigos simpatizantes de Aécio e do PSDB, pois este é o verdadeiro espírito democrático.

* O Eldoradense

20 de out de 2014

Piada de segunda: "Teste de sanidade mental"


"Teste de sanidade mental"

  Os médicos do hospício precisavam resolver o problema da superlotação, e resolveram aplicar um teste de sanidade mental. Colocaram todos os internos em uma sala e encheram de água, e logo após, começaram a gritar dizendo que o hospício estava inundando. Todos os pacientes começaram a nadar desesperadamente, buscando salvação, exceto um, que ficou sentado em um banco e sorrindo.

   O médico, crendo que este paciente era o único que gozava das plenas faculdades mentais, então perguntou:

    "Parabéns, você não quis fugir nadando. Me diga por quê?"

  "Ora, eu não vou me desgastar à toa...estou esperando a lancha chegar!"

19 de out de 2014

Vídeo musical de hoje: "Vô imbolá", com Zeca Baleiro


"Vô imbolá" - Zeca Baleiro

Imbola vô imbolá
Eu quero ver rebola bola
Você diz que dá na bola
Na bola você não dá


Quando eu nasci era um dia amarelo
Já fui pedindo chinelo
Rede café caramelo
O meu pai cuspiu farelo
Minha mãe quis enjoar

Meu pai falou mais um bezerro desmamido
Meu Deus que será bandido
Soldado doido varrido
Milionário desvalido
Padre ou cantor popular

Nem Frank Zappa nem Jackson do Pandeiro
Lobo bom e mau cordeiro
Mais metade que inteiro
Me chamei Zeca Baleiro
Pra melhor me apresentar

Nasci danado pra prender vida com clips
Ver a lua além do eclipse
Já passei por bad trips
Mas agora o que eu quero
É o escuro afugentar

Faz uma cara que se deu essa empreitada
Hoje a vida é embolada
Bola pra arquibancada
Rebolei bolei e nada
Da vida desimbolá



Vô imbolá minha farra
Minha guitarra meu riff
Bob dylan banda de pife
Luiz gonzaga jimmy cliff
Poesia não tem dono
Alegria não tem grife
Quando eu tiver cacife
Vou-me embora pro Recife
Que lá tem um sol maneiro
Foi falando brasileiro
Que aprendi a imbolá


Eu vou pra Lua
Eu vou pegar um aeroplano
Eu vou pra Lua
Saturno Marte Urano
Eu vou pra Lua
Lá tem mais calor humano
Eu vou pra lua
Que o cinema americano

Eu vou, eu vou vender a minha van
Eu vou, eu vou vender a minha van
Eu vou, eu vou vender a minha, vender a minha van, minha vã filosofia.


13 de out de 2014

"Terra estrangeira", texto de autoria do humorista e escritor Gregório Duviviver

Gregório Duvivier é humorista e colunista da Folha de São Paulo


   Ontem postei o texto "O chapeiro e o dono a padaria", de Antônio Prata, escritor e colunista da Folha de São Paulo,  que enaltece a liberdade de pensamento, a democracia, os anseios e ideologias implícitos no voto de cada um. Hoje dou destaque ao texto intitulado "Terra estrangeira", escrito pelo humorista Gregório Duviviver, também colunista da "Folha". Gregório fala sobre as hostilidades, estereótipos e estigmas que são atribuídos a um sujeito por conta de sua opção nas urnas eleitorais. Confira no link abaixo:

   

Piada de segunda: "Diploma"


"Diploma"

   Em um boteco de uma cidadezinha do interior, o sujeito chega no balcão e pede ao atendente:

     "Me serve uma dose de pinga?"

     Imediatamente, o atendente, que está ocupado, grita:

   "Diploma, corre aqui para servir uma dose de pinga para o freguês!"

      O menino, bastante solícito, serve o cliente, que pergunta para o atendente:

      "O senhor colocou o nome do menino de Diploma?"

      "Não é nome não...é apelido!"

      "Mas por que este apelido?"

      " É que quando minha filha saiu para estudar fora, ela disse que voltaria com um diploma..."

12 de out de 2014

Texto brilhante de Antônio Prata: "O chapeiro e o dono da padaria"

Antônio Prata, escritor e colunista da Folha de São Paulo


   Neste domingo tão especial para os brasileiros, recomendo um texto escrito pelo brilhante colunista da Folha de São Paulo Antônio Prata, intitulado "O chapeiro e o dono da padaria", que explica de forma bastante didática as diferentes motivações que justificam os votos dos brasileiros por regiões e classes sociais. Prata desmistifica o conceito de "voto inteligente e burro", de "voto certo e errado", enaltecendo o espírito da democracia, da liberdade de pensamento e das diferentes opiniões sobre um mesmo assunto.

  A Folha de São Paulo não permite a reprodução dos seus conteúdos, por isso, segue abaixo o link do texto para quem quiser ler:

Vídeo musical de hoje: "Romaria", com Ivete Sangalo & Renato Teixeira


"Romaria" - Ivete Sangalo & Renato Teixeira

É de sonho e de pó
O destino de um só
Feito eu perdido
Em pensamentos
Sobre o meu cavalo

É de laço e de nó
De jibeira o jiló
Dessa vida
Cumprida a só

Sou caipira, pirapora
Nossa Senhora de Aparecida
Ilumina a mina escura e funda
O trem da minha vida (2x)

O meu pai foi peão
Minha mãe solidão
Meus irmãos
Perderam-se na vida
À custa de aventuras

Descasei, joguei
Investi, desisti
Se há sorte
Eu não sei, nunca vi

Sou caipira, Pirapora
Nossa Senhora de Aparecida
Ilumina a mina escura e funda
O trem da minha vida (2x)

Me disseram, porém
Que eu viesse aqui
Prá pedir de
Romaria e prece
Paz nos desaventos

Como eu não sei rezar
Só queria mostrar
Meu olhar, meu olhar
Meu olhar

Sou caipira, pirapora
Nossa Senhora de Aparecida
Ilumina a mina escura e funda
O trem da minha vida (2x)

9 de out de 2014

Levantamento petista confirma: Aécio está na frente!


  O comando da campanha do PT esperava mesmo sair em desvantagem em relação ao adversário do PSDB no segundo turno, e uma pesquisa interna saiu dentro das expectativas, mas melhor do que poderia ter sido. Segundo a colunista Monica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo, um tracking feito pela campanha de Dilma apurou 46% de intenções de votos para Aécio Neves, contra 43% para a presidente. Na contagem de intenções de votos válidos, o placar ficou em 52% a 48% para o tucano sobre a petista.
  O levantamento informal, sem registro TSE, motivou os petistas. O advogado e ex-deputado Luiz Eduardo Greenhalgh foi um dos primeiros a se manifestar, conclamando a militância a não acreditar nos números dos institutos de pesquisas tradicionais. Os petistas esperavam uma vantagem para Aécio, em razão da performance do tucano no primeiro turno, mas os números obtidos foram considerados positivos em razão do estabelecimento de uma situação de empate técnico, ainda que com vantagem para o adversário.
  A sondagem do PT foi feita em nível nacional e tem margem de erro estimada em dois pontos percentuais. As campanhas costumam utilizar levantamentos próprios para orientar especialmente a linha política dos programas de televisão. Fonte: Brasil 247/Folha.com
  * Para visualizar a imagem em tamanho original, clique sobre a mesma.

7 de out de 2014

Comentário: "Sobre os resultados das eleições"


"Sobre os resultados das eleições"

 Amigo leitor, todos os votos do último domingo foram devidamente apurados, e a fatura está liquidada para os cargos do legislativo estadual, federal e senado. Em São Paulo, o governador Geraldo Alckmin desbancou os adversários e reelegeu-se no primeiro turno, e, portanto, o único voto que resta a nós, paulistas, é para a Presidência da República. Sobre os resultados, tenho algumas considerações a fazer:

   1) Presidente Venceslau passa a ter melhores perspectivas: as vitórias dos prudentinos Ed Thomas e Mauro Bragato para o legislativo estadual com certeza trará benefícios para  nossa comunidade, bem como a importante vitória do nosso conterrâneo Major Olímpio para o cargo de deputado federal. Os três políticos já eram nossos representantes em São Paulo, mas agora, temos um representante em Brasília, e isso é muito importante;

   2) Geraldo Alckmin tem popularidade absoluta: Particularmente votei em Paulo Skaf, mas democracia é democracia, e é preciso aceitar a força dos números, que premiaram o governo tucano por mais quatro anos no Palácio dos Bandeirantes. Alckmin foi derrotado apenas no município de Hortolândia, onde o petista Alexandre Padilha venceu. Portanto, eu sempre digo que contra números os argumentos perdem parte de sua força. E se esta é a vontade do povo paulista, que assim seja;

  3) A vaga do senado é de José Serra: Votei em Eduardo Suplicy, que considero um dos poucos ícones da honestidade política deste país, e sou favorável à sua postura humanista com relação às causas sociais. Porém, o vencedor foi José Serra, político experiente e que tem plenas condições de realizar um bom trabalho em Brasília, (assim espero);

 4) Marina fora: Outro ícone da honestidade política do Brasil que lamento ter ficado fora da disputa pela Presidência da República. Defensora do crescimento econômico aliado à sustentabilidade, Marina era, ao meu entender, a única candidata que poderia representar algo novo, o que tanto a população clamou nas manifestações de junho do ano passado. Para o segundo turno, voltará a velha polarização PT X PSDB, que ao meu ver, de novo, não tem nada;

  5) Prognósticos para o segundo turno: Aécio deve vencer. A votação do candidato tucano foi muito expressiva no Centro-sul, região de maior concentração populacional do Brasil, e a tendência deve ser que esta votação se acentue ainda mais ao seu favor no segundo turno, desbancando Dilma Roussef, que tem um eleitorado mais fiel no Nordeste do país, com menor contingente populacional;

   6) Meu posicionamento para o segundo turno: Voto em Dilma. Na minha opinião, os dois partidos que aí estão são igualmente corruptos, com a diferença que o governo petista promoveu maior inclusão social no país, ainda que esta inclusão não seja no molde mais apropriado. E penso que é melhor inclusão social imperfeita do que nenhuma. Respeito os que pensam diferente, pois este é o espírito da democracia. O problema é que vejo muita gente taxando negativamente os indivíduos pelos seus posicionamentos, o que é lamentável. O voto de um cidadão é direcionado pela sua história de vida, sua classe social, suas convicções e perspectivas. E é a partir deste pensamento, (o do respeito ao voto de cada um), que encerro este comentário. 

* O Eldoradense