27 de nov de 2015

Poema: "Lágrimas de Mariana"


"Lágrimas de Mariana"

Barragens rompidas,
Tsunami de rejeitos;
Vidas interrompidas,
Acúmulo de malfeitos...

Rios poluídos,
 Tomados pelo marrom;
Seus leitos tingidos,
Por um escuro tom...

Água potável,
Transformada em sujeira;
Prejuízo incalculável,
Para a gente mineira...

Mariana chora,
Lágrima barrenta;
Seu povo ora,
Sofre e lamenta...

Segue o Rio Doce,
Mistura de mágoa e terra;
Como se ele fosse...
O pranto vindo da serra!

Extenso pranto,
Que deságua no litoral;
Chegando ao Espírito Santo...
 Lamaçal, lama e sal!



* O Eldoradense

Nenhum comentário:

Postar um comentário