11 de jun de 2016

Um erro corriqueiro da Língua Portuguesa: Casas "germinadas"...




   A Língua Portuguesa possui certas armadilhas que acabam provocando alguns erros corriqueiros, que acabam "passando batido" por quem escreve ou lê seus vocábulos. Em um conceituado veículo de Presidente Venceslau, observa-se a seguinte manchete, em sua página de número 03, do dia 11/06/16: "Duran pede ao governador agilidade no no acesso ao Vencesville e oferece ao Estado áreas para casas germinadas". Eis que na última palavra da manchete encontra-se um erro, bastante cometido, por sinal. As casas, popularmente conhecidas por "de parede e meia", seriam, na  verdade, "geminadas", cuja origem da palavra é oriunda de "gêmeos", ou então, para melhor compreensão, "lado a lado". 

   O termo "germinadas", é usado para coisas que brotam, como por exemplo, algo que nasce através de sementes. Como os Engenheiros Civis, agrônomos e ambientais ainda não conseguiram fazer com que casas "brotassem de sementes", conclui-se que a área em questão servirá para que se construa casas "geminadas" e não "germinadas". Deixo claro que sou leitor assíduo do referido veículo de imprensa, e a correção divertida tem o intuito de fazer a observação dentro da proposta humorística do meu blog. 

  Apenas para deixar mais claro:

Casa "geminada"

Esta casa até parece que brotou de alguma semente, mas isso ainda não existe, infelizmente. Portanto, ela não é "germinada"...



* O Eldoradense

2 comentários:

  1. Anônimo17:01

    Já morei de parede e meia...terrível!!! rs mesmo assim fez parte da minha vida bons tempos.

    ResponderExcluir
  2. Muitas pessoas falam germinadas, eu tenho uma vontade de corrigir, rsrsrs mas parece que muitas palavras já se tornaram um vício... Abraços!!!

    ResponderExcluir